Pedro e a Informação Imperfeita em Economia

Será necessária demasiada elaboração teórica e matemática para que os economistas constatem que a informação é imperfeita? Será necessário um Prêmio Nobel para se demonstrar que a informação é imperfeita?

Pedro viu-se, dos três aos cinco anos, frente a decisões para as quais lhe faltavam informações importantes:

1. Após ouvir a história e a música do outro Pedro, o Pedro e o Lobo de Prokofieff, narrada por Rita Lee, resolveu, em companhia do avô, ir caçar lobos em uma pequena mata próxima à sua casa. Armou-se com uma espingarda de rolha e o avô com uma pistola de chumbinho. Chegando à beira da mata, Pedro alertou o avô sobre os riscos da empresa:

Acho melhor voltar.

_ O que é Pedro?

_ Essas armas são de brincadeira e nós não sabemos o tamanho do lobo!

O avô aceitou as razões e voltaram para casa com um passo rápido, uma vez que se desconhece o tamanho dos lobos das matas próximas à Brasília.

A lógica foi perfeita. A decisão também: em vista do desconhecimento sobre o tamanho do lobo, o sábio era não arriscar. Já os economistas do Banco central aumentam artificialmente o tamanho do lobo da inflação para amedrontar os brasileiros.

2. A madrinha de Pedro estava grávida. Veio a explicação de que tinha um neném na barriga. Pergunta Pedro:

Dinda, você engoliu o neném?

Faltava informação sobre outros métodos de encher barriga além da alimentação, como parece faltar a muitos economistas, o conhecimento de outras medidas de política econômica que a de manter a taxa de juros artificialmente elevada. Neste caso, a informação imperfeita é a do referencial utilizado em teoria econômica.

3. A/> bisavó de Pedro faleceu. Foi-lhe explicado que as pessoas ficam velhinhas, de cabelo branco e morrem. Pedro, alarmado, resolveu proteger da morte o avô de cabelos brancos:

Vovô, você está de cabelos brancos! Eu não tenho cola preta, mas tenho cola colorida lá em casa. Vou trazer para passar no seu cabelo!

A correlação estatística foi confundida com a relação causal, como acontece com a correlação automática entre inflação e quantidade de moeda em circulação.

4. Pedro foi informado de que a bisavó tinha ido morar no céu junto a Deus. Levantou duas hipóteses para resgatar a avó:

a) Vestir sua fantasia de Batman, pegar o avião do herói e trazê-la de volta, em versão infantil do mito de Orfeu.

b) Plantar um pé de feijão, como na história de João e o Pé de Feijão e descer pela árvore com a avó.

Ambas as medidas são inócuas, ao contrário das tomadas no âmbito do Banco Central que prejudicam o Brasil e seu povo. Outra diferença: Pedro as propôs de boa fé e da forma mais humana e solidária.

5. Na missa de sétimo dia, sabendo que estavam na casa de Deus e que Deus mora no céu. Perguntou:

É aqui o céu?

Silogismo perfeito. Se a igreja é a casa de Deus e Deus mora no céu, a igreja fica no céu. Porém, a metáfora foi confundida com o real. É exatamente a confusão entre a metáfora e o real que leva economistas a tratar a informação e o mercado como se fossem perfeitos.

6. O pai de Pedro lê o jornal e comenta em voz alta o escândalo das sanguessugas:

– Que coisa! Cento e setenta ladrões na Câmara!

Pedro comenta alarmado, lembrando-se que o avô é Consultor daquela Casa Legislativa:

– Vovô está em perigo!

O pai o tranqüiliza:

– Não se preocupe, pois a polícia já foi avisada.

Pedro responde:

– Não, cento e setenta é muito malvado: só o Batman pra dar jeito!

Aqui Pedro acertou, pois só o Batman mesmo para dar jeito.

7. Pedro busca informações:

_ Mamãe, quando Deus nasceu?

_ Meu filho, Deus é eterno, sempre existiu.

_ Nossa! Então ele é mais velho que os dinossauros!

A pergunta é pertinente frente ao nível de informação disponível. Mais crescido, Pedro saberá que contrário à solidariedade ensinada por Deus e da mesma idade dos dinossauros é o pensamento liberal que sobrevive no novo milênio.

8. Pedro é informado de que o homem vem do macaco. Em visita a um zoológico, observa longamente um chimpanzé e pergunta:

Papai, tem certeza que este bicho vai virar um ser humano?.

De novo, lógica perfeita e informação insuficiente.

9. As diferenças do pensamento de Pedro para o dos economistas liberais da atualidade resultam do seguinte:

1º – Pedro fez, há pouco, cinco anos;

2º – Pedro é muito inteligente;

3º – Pedro é leal, solidário e procura proteger as demais pessoas.

CQD

2017-11-02T19:39:12+00:00 By |Economia Política, Opinião|

Deixar Um Comentário